Arquivo

Archive for dezembro \25\UTC 2009

Pequenas Sutilezas dos programas Open Source

25 de dezembro de 2009 1 comentário

Se tem uma coisa que eu realmente ADORO nos programas Open Source, ao contrário dos softwares chatos e sem-graça do Windows, são as pequenas sutilezas que determinados desenvolvedores incluem em seus programas. Isso também acontece no Mac OS X. Por exemplo: Hoje é natal, 25 de dezembro de 2009, e olhe com o quê eu fui surpreendido:

Provavelmente aconteceu o mesmo com a versão for Windows. Mas são coisas que não acontecem, por padrão, no SO da Microsoft. 🙂

Em tempo: Segundo o amigo Stomaz, o Kmess também o desejou feliz natal… 🙂

Stay safe,
Lucas Timm.

Categorias:Linux Tags:, ,

Música que ninguém conhece.

21 de dezembro de 2009 11 comentários

Deixei nas Minas Gerais uma canção feitinha com o calor do sol,
Pra toda noite quando sonha o meu amor caipira usar como lençol.
E, se lembrar de mim,
Guiando sempre cavalgando em nuvens
Carregadas com tudo em cima e um beijo por roubar,
Com tudo em cima e um beijo por roubar,
Do meu amor caipira e trouxa das Minas Gerais.
Do meu amor caipira e trouxa das Minas Gerais.
Depois das seis, depois do banho
Depois do dia que não vai raiar,
Talvez eu pense em viajar
Num trem fantasma nos braços da noite,
Atrás do beijo caipira e doce das Minas Gerais.
Eu chego lá na noite são João,
Eu chego lá na noite são João.

(Devia ter nascido dez vinte anos antes!)

Categorias:Diversos

Proibam a venda de celulares com MP3 para isentos.

19 de dezembro de 2009 2 comentários

Tem alguma coisa pior do que um corno escutando música em algum MP(x) dentro do ônibus lotado (eixão)? Tem, tem sim. O mesmo corno ser CRENTE e estar escutando isso aqui!

Não, peraí! Pausa para reflexão:

A mesma história que aconteceu com Daniel
O anjo vinha trazendo a resposta
Os inimigos lhe impediram de passar
E ele voltou pra o céu

Como assim Biau? Algum néo-pentecostal pode explicar isso aqui? Me lembro de duas ocorrências CLARAS onde a Bíblia menciona que anjos tomaram conta da pessoa de Daniel. A primeira foi no capítulo 3 do referido livro, quando Nabucodonosor criou uma estátua gigante e ordenou que TODOS – incluindo Daniel – a adorassem a estátua ao som da música. Óbvio que eles criam no Deus do Céu, o mesmo em quem tenho crido, e nem pestanejaram: Foram pra fornalha! Maaaaas, segundo relato dos versículos a seguir:

19: Então Nabucodonosor se encheu de furor, e mudou-se o aspecto do seu semblante contra Sadraque, Mesaque e Abednego; falou, e ordenou que a fornalha se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer.
20: E ordenou aos homens mais poderosos, que estavam no seu exército, que atassem a Sadraque, Mesaque e Abednego, para lançá-los na fornalha de fogo ardente.
21: Então estes homens foram atados, vestidos com as suas capas, suas túnicas, e seus chapéus, e demais roupas, e foram lançados dentro da fornalha de fogo ardente.
22: E, porque a palavra do rei era urgente, e a fornalha estava sobremaneira quente, a chama do fogo matou aqueles homens que carregaram a Sadraque, Mesaque, e Abednego.
23: E estes três homens, Sadraque, Mesaque e Abednego, caíram atados dentro da fornalha de fogo ardente.
24: Então o rei Nabucodonosor se espantou, e se levantou depressa; falou, dizendo aos seus conselheiros: Não lançamos nós, dentro do fogo, três homens atados? Responderam e disseram ao rei: É verdade, ó rei.
25: Respondeu, dizendo: Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, sem sofrer nenhum dano; e o aspecto do quarto é semelhante ao Filho de Deus.
26: Então chegando-se Nabucodonosor à porta da fornalha de fogo ardente, falou, dizendo: Sadraque, Mesaque e Abednego, servos do Deus Altíssimo, saí e vinde! Então Sadraque, Mesaque e Abednego saíram do meio do fogo.
27: E reuniram-se os príncipes, os capitães, os governadores e os conselheiros do rei e, contemplando estes homens, viram que o fogo não tinha tido poder algum sobre os seus corpos; nem um só cabelo da sua cabeça se tinha queimado, nem as suas capas se mudaram, nem cheiro de fogo tinha passado sobre eles.
28: Falou Nabucodonosor, dizendo: Bendito seja o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, que enviou o seu anjo, e livrou os seus servos, que confiaram nele, pois violaram a palavra do rei, preferindo entregar os seus corpos, para que não servissem nem adorassem algum outro deus, senão o seu Deus.

E a segunda vez, se passou mais adiante, com Daniel já idoso, e quando em “cilada”, Nabucodonosor (puta nome chato de digitar) ordenou que apenas ELE, e somente ELE (ui!) deveria ser adorado na Babilônia. Aham, ok. Quem não o adorasse seria jogado na cova dos leões. O resto da história, acredito que todos saibam, destacando apenas o versículo 22 do capítulo 6 no mesmo livro:

22: O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou a boca dos leões, para que não me fizessem dano, porque foi achada em mim inocência diante dele; e também contra ti, ó rei, não tenho cometido delito algum.

Ok. Voltando ao eixão. Já não basta o cara escutar essa “coisa” em broadcast, ainda sou convidado a compactuar com uma heresia? Ahh não, por favor! Proibição do MP(x) JÁ! Na Índia já existem iniciativas semelhantes para livrar os pobres (e bota pobres nisso) cidadãos de bem dos inconvenientes sem noção possuidores de um telemóvel. São países parecidos, exceto pela cultura pseudo-católica seguida por aqui. Como isso não vai acontecer, as alternativas são poucas, e o jeito é continuar aguentando, ou trocando de ônibus e arriscar uma situação semelhante com OUTRO CORNO escutando Dejavu… Já não sei mais o que é pior!

#Vidademerda!

Categorias:Devaneios, Diversos

Ajude a BetterPlace.org e ganhe uma cópia gratuita do SoftMaker Office

19 de dezembro de 2009 1 comentário

Conhecia? Eu também não.

Após informações dos velhos amigos do IRC (valeu Caio_Cesar!), fui conferir a suíte de escritório SoftMaker Office. A suíte de escritório tem versão nativa para Linux E Windows (também tem pra Windows CE). O software é proprietário E pago, então, os usuários babacas de software livre podem parar de ler por aqui.

PlanMaker

Pros que continuaram: Os programas Planmaker (planilha eletrônica), Textmaker (editor de texto) e Presentation (slides) são de extrema qualidade, deram de 10 x 0 no desempenho e estabilidade ao manipular os documentos existentes no meu computador em comparação ao seu, digamos, concorrente. Tem formato próprio, além de suportar .doc/.xls/.pps, .rtf e ODF. Infelizmente NÃO suporta OOXML, nem tudo é perfeito. Também não é melhor que o Office 2007, que pra mim é absoluto. Mas pelo pouco que utilizei, concorre igualmente com o Office 2003. Suporta check-spelling em pt_BR e possui uma tradução DECENTE de TODOS os menus que testei. Nem é necessário reiniciar o programa ao mudar o idioma!

TextMaker

A versão pra Linux é um parágrafo a parte. Tem em RPM, é estável, rápida, elegante e bem integrada com o desktop. Abre em 2 segundos (JURO). Tem um visual meio KDE2, segundo o Caio_Cesar (eu não sou dessa época), mas o visual me agradou. É simples e intuitivo, com menus bem claros a respeito das opções. Tem alguns diálogos estilo Windows 9x/Wine, mas não sou fresco, e o que me importa é a funcionalidade.

O site da SoftMaker está com uma “promoção”. Qualquer pessoa pode se registrar gratuitamente e ganhar uma cópia gratuita do SoftMaker Office para uso perpétuo, ganha suporte gratuito e descontos no caso de upgrade para as próximas versões. Vale as versões pra Windows E pra Linux. De cada download realizado, a SoftMaker doará 10 centavos de Euro (não sei fazer o simbolozinho) para a BetterPlace.org, organização que ajuda uma penca de gente por aí (dá uma olhadinha no site, doa algo lá também!). Até o momento, 3.300.40 Euros já foram doados. Ou seja, tá fazendo sucesso. 🙂

Quer uma cópia participar? Clica aqui, cadastre-se, baixe, teste e divulgue. Aproveite antes que acabe, pois o FAQ não fala de datas!

Stay safe,
Lucas Timm.

Categorias:Diversos, Linux, RedHat

Gostinho de ser criança

7 de dezembro de 2009 3 comentários

Esses dias fizemos canudinhos.

É, canudinhos!

Não sabe o que é? Ok, eu explico. Há muitos anos atrás, quando morávamos no Rio Grande do Sul (minha querida e amada terra natal), existiam os canudinhos. Os canudinhos eram uma massa feita de alguma coisa, recheada com maionese, frango e outros condimentos gostosos. Eram guardados numa geladeira, de uma noite para outro, de modo que a massa ficasse molenga e macia. Caso comesse na hora, ela ficava dura e crocante, o que não é legal – faz meleca, tem que fazer “força” pra quebrar. Pode ser que você conheça, ou não, vale a explicação.

E o que eu, leitor, tenho a ver com isso?

Nada! Fizemos canudinhos em casa e senti saudades de ser criança. Não existem canudinhos na capital dos comedores de pequi, sabia? Bateu uma nostalgiazinha legal… Saudade das animadas festas de aniversário como nunca foi feito aqui no Goiás. Dos negrinhos, branquinhos, risólis, coxinhas (e canudinhos), bem gordurosos, uma delícia. Quitutes da Mariazinha. Escola Adventista. Garagem da minha casa. Casa dos antigos amigos, que hoje nem lembram mais de mim, mas com que cresci e convivi até os 9 anos. Ou melhor, não cresci, só envelheci.  Caramba, eu tenho 21 anos!


Mas se não tem em Goiânia, quem comprou o tal dos canudinhos?

Minha avó, que mora em Taquara, no RS. Ela trouxe a massa dos canudinhos, prontinhos pra encher. Afinal, ela ta sempre por aqui nos visitando, e eu gosto disso! Colocamos frango, maionese, cebolas, tomates, pimentões (tudo BEM picadinho), azeite de oliva e azeitonas picadas. Entupimos os dito-cujos e depois comemos… 🙂

Só isso?

Sim. Só isso. Um post pra dizer que senti saudade de ser criança depois de ter comido os canudinhos que fizemos em casa. Em família. Vai dizer que não ficou com vontade? 🙂  (tá bom, eu sei que não.)

Stay safe,

Lucas Timm

Categorias:Devaneios, Diversos