Arquivo

Archive for março \16\UTC 2010

Hoje eu lembrei de ti!

16 de março de 2010 Deixe um comentário

Induzido por algumas circunstâncias, hoje eu lembrei de ti. Não que eu não me lembre sempre, mas essa vez foi diferente. Foi legal! Chorei sorrindo, feito bobo, lembrando de vários bons momentos que nos aconteceram. Uma saudade feliz, alegre. Me fez muito bem, quase me despertou outra mania. Pra tu ver! 🙂

Lembrei com carinho de coisas das quais eu nunca falei pra ninguém. Que só nós dois vivemos. Bem, nós dois e algumas pessoas a mais, na maioria das vezes. Ahh, se tu soubesse o quanto eu mudei! O que estou me tornando, que não me afastei dos caminhos que um dia tu me ensinou (na verdade não foi bem assim huahuahua), mas deu certo no final. Mesmo assim, eu tava pensando em várias coisas.

Lembrei daquele alemão correndo (mancando) no meio da faísca, girando aquele bom-bril incendiado na direção do Velho Zé, pra sacanear o “pudim de cana”. Lembrei daquela mão grande de caminhoneiro apertando a minha mão – na época – pequenininha. Doía, sabia? hehe. E da mesma mão remendando fusível de caminhão (credo, a gente nunca levava reserva?) usando chave de maçaneta comum. Daquele óculos quadrado, na ponta do nariz, com duzentas chaves de fenda dentro daquela “leva-tudo” (“perde-tudo”, by Sandra Timm), olhando com atenção o funcionamento de um dispositivo qualquer, e que nessa altura do campeonato já estava desmontado em oitocentos pedaços em cima da mesa. Isso eu herdei de ti, tu sabia né!

Também lembrei do braço forte me segurando pelo pulso, que me jogava e logo puxava dentro daquela pscina para que eu não me afogasse. Daquele senhor sentado na beira da praia “cuidando” o que eu estava fazendo, pra que eu não fosse muito longe e me afogasse, ou fosse puxado pelas ondas. E por último, daquela camisa azul marinho (ou era verde?), que tu enrolava em mim quando eu sentia frio. Ficava igual um roupão. Pena que a vó já doou, se não eu a queria pra mim, ainda que de recordação.

Ai ai… Tantas coisas boas, mas que infelizmente a morte os separou, e ainda vai demorar um pouco pra nos reencontrarmos novamente. Mas um dia iremos novamente, e isso é o que importa. Até lá, tu vive pra sempre dentro do meu coração.  🙂

Anúncios
Categorias:Devaneios